A redescoberta da "Tubaína"

O termo tubaína refere-se ao segmento de refrigerantes baratos, de produção e distribuição regional, com forte presença no interior do País em áreas onde as grandes marcas do setor tardaram a chegar. É um refresco gaseificado a base de aromatizantes tutti frutti, entre os quais pode-se encontrar guaraná e gengibre, e o paladar se assemelha ao do refrigerante guaraná. As diferenças de coloração dependem do tempo de caramelização do açúcar e cada fabricante tem a própria receita. A tubaína quase sempre parece mais doce do que os outros refrigerantes, mas a quantidade de açúcar utilizada é a mesma, estabelecida por lei em 10%. Ela deve ser consumida sempre bem geladinha e possui a vantagem de harmonizar perfeitamente com todos os tipos de comida. Nos bares, a harmonização mais famosa com tubaína é o sanduíche de mortadela, um clássico. 
Existem muitas controvérsias sobre a invenção e a paternidade do produto. Em 1898 è iniciada a  produção da "Cotubaína" em Piracicaba; a "Etubaína", da família Orlando de Piracicaba, a mais antiga conhecida com a marca tubaína no rótulo, é produzida desde 1913; em 1932 a empresa Ferráspari de Jundiaí, produtora de vinhos, aguardentes, vermutes, xaropes e da bala “Turbaína”, deixou de produzir as balas e começou a produzir o refrigerante com o mesmo nome e o mesmo sabor da bala. O refrigerante "guaraná" começou a ser fabricado em 1921 pela Antárctica e em 1927 pela Brahma. De 1954 é a "Itubaína", o primeiro refrigerante fabricado artesanalmente pelo Grupo Schincariol de Itu, hoje de propriedade da Brasil Kirin
As grandes multinacionais do setor, diante da concorrência do produto regional, adotaram uma política de aniquilação das tubaínas com campanhas denigrótorias na imprensa, pressionando os revendedores, comprando marcas e fechando fábricas. Há alguns anos porém se desencadeou um processo de redescoberta do produto com o reconhecimento do seu valor cultural agregado - o consumo da tubaína é hoje associado à memória afetiva das pessoas e aos almoços de domingo com a família. É também sinônimo de “refrigerante artesanal”, e muitas marcas da pequena produção conservaram seu vasilhame clássico de vidro retornável das garrafas de cerveja de 600 ml. Paralelamente algumas das grandes marcas relançaram o produto em nova edição. 

É brasilidade, latinidade, é ser urbano e interiorano, ser popular, brega e alternativo. Tubaína é simplicidade, e é um luxo.(Bar Tubaína, São Paulo)

Algumas das marcas mais conhecidas de tubaína
• Bacana, Boituva, SP  
• Baré, Manaus, AM, adquirido pela Antárctica 
• Cajaína, Cajamar, SP 
• Cotuba, Piracicaba, SP
• Cristalina, Assis, MG 
• Etubaína Orlando, Piracicaba, SP
• Frutaína Convenção, Itu, SP
• Funada, Presidente Prudente, SP 
• Guaraná Jesus, Maranhão 
• Guarapan, Belo Horizonte, MG 
• Itubaína, Itu, SP
• Jaboti Cola, Jaboticabal, SP 
• Maçã Don, Ribeirão Preto, SP  
• Tatuína Rossi e Tuiubaína Vieira, Tatuí, SP 
• Taubaína, Taubaté, SP 
• Taubaína Vedete, Sorocaba, SP 

Fontes: 
ABIR - Associação Brasileira das Indústrias de Refrigerantes e de Bebidas Não Alcoólicas   
Confraria das Tubaínas  
Funada  
Tubaína e afins 
• Revista "Tubaína e afins", n°1, julho de 2011. 
Blog Manifesto Terreiroir 
Revista Época online  
Blog Sol Caldeira  
Blog do refri…  
• "Quando a Tubaína imperava nesta região", Correio de Itapetininga, 19.10.2012. 
• Bar Tubaína 
As cookies ajudam-nos a oferecer os nossos serviços. Ao utilizar os nossos serviços, aceita o uso de cookies. Mais informações